Londres
7 °C

Melhor morar nos EUA ou Reino Unido?

|



Paula totths (1)



(USA - Miami) Por Paula Tooths* 


Quem nunca sonhou em morar fora? Crises de mais crises, problemas com segurança, educação de baixa qualidade, poluição, o desejo de aprender uma nova lingua, conhecer gente nova, entender outras culturas ou apenas o sonho de se aventurar por este mundo.


Morei em alguns países, fiz partes de algumas missões e acumulei historias para contar. Todos os lugares tem seus pontos positivos e negativos,  e a velha lenda de que o jardim do lado de lá da cerca é mais verdinho, sempre buzinou em minha curiosidade.


A ideia de mudança me move, devo ter alma cigana. Acredito que a vida deve sempre estar no gerúndio, cheia de movimento. E mais importante, esta vida e muito curta para nascer e morrer no mesmo ciclo ou lugar.


Para quem segue meus artigos sabe que morei no Reino Unido por quase metade da minha vida e há quase um semestre estou nos Estados Unidos.


Claro que, quando eu deixei o Brasil, senti e sinto até hoje falta não só da familia e dos amigos, mas de muitas “coisinhas”. A feijoada, o pão de mel, o bolo de cenoura, o arroz de carreteiro, o colorido e a alegria que so se vê ali.


Já da Inglaterra, sinto falta de outras coisas. O transporte publico que (quase) sempre funciona, da lojas baratinhas de bairro e da Poundland. Do correio rápido e das novelas sem maquiagem.


Mas como eu gosto da mudança, adaptação também corre em minhas veias. Ajusto-me de acordo com a musica.

Como os EUA e o Reino Unido são os dois países que mais atraem os brasileiros, fico aqui com um comparativo detalhado destes dois apenas.

Este texto é baseado em minha própria experiência apenas, morando em Londres e em Miami, lembrando que cidades menores e menos concorridas valores e hábitos são diferentes.


Moradia

Este é um problema grande para quem vai morar na Inglaterra, não só com a crise habitacional mas com a liberdade de preços exercidos, principalmente em Londres, onde os investidores russos e chineses compraram a cidade.

Morar no centrinho badalado de miami pode ser tão caro quanto, mas distanciar-se do miolo pode reduzir muito o valor do aluguel. A regra vale para Londres também.


Em terras londrinas, um apartamento de dois dormitórios vai custar cerca de R$10.000 e em miami, a partir de R$7.500, mas sao muito mais espaçosos.


Para quem não tem credito, haverá um depósito obrigatório de 3 a 6 meses, adiantado, tanto nos EUA como no Reino Unido. É claro que toda regra tem exceções. Sempre vai existir um proprietário no mercado privado que vai acreditar que você vai pagar em dia e vai reduzir o depósito para um mês apenas, outro vai deixá-lo mudar sem depósito. Mas em grande maioria, as pessoas começam a vida fora alugando quartos por cerca de R$2.500 mensais. Mas viaje preparado porquê quartos também exigem depósito.


Comprar um imóvel nos EUA também e bem mais fácil. A entrada e de 3.5% do valor do imóvel para quem tem ‘social security’ e crédito satisfatório se for para uma casa ou a partir de 25% para apartamentos e condomínios. Estrangeiros que compram imóvel por aqui, também podem financiar, com entrada a partir de 30% do valor da propriedade. A documentação fica mais pesada e pode chegar até 8-10% do valor da transação. O bom é que os juros são bem baixos e os financiamentos podem ser feitos por 30 anos ou até mais.


Ja na Inglaterra, para comprar uma propriedade, o processo é mais burocrático e a entrada deve ser no mínimo de 20%, considerando que um imóvel básico custa R$2.5-3 milhões, e só com a entrada, seria possível comprar um imóvel a vista nos EUA.


Transporte

Se a ideia e mudar para os Estados Unidos, prepare uma quantia extra para um carro e uma quantia ainda maior para o seguro. Carro é barato, mas seguro não. O transporte publico é quase inexistente. Taxi e consideravelmente barato para ‘de vez em quando’, mas definitivamente caro se precisar dele para começar por aqui.


Já no centro expandido de Londres o sistema de transporte é fantástico mas não e barato. Comprar um carro usado pode ser uma opção, mas combustível é muito caro. Também há pedágio diário para quem cruza o centro, imposto é caro e seguro dói no bolso. Mas lembre-se de que fora de Londres o sistema de transporte publico deixa a desejar, e bastante e carro vira uma necessidade.

O que eu gosto mesmo e de dirigir do lado “certo” nos EUA. Eu estava bastante acostumada a dirigir do lado direito no Reino Unido, mas confesso que é fora da minha zona de conforto.


Para quem mora legalmente nos Estados Unidos, a carteira de motorista brasileira só vale por um mês, diferente para os turistas que podem usar a carteira da terra natal por até 180 dias. No Reino Unido, o motorista tem até um ano para fazer a permissão britânica, mas sem ela o seguro pode encarecer bastante ou não ser aceito.


Para fazer a minha carteira de habilitação no Reino Unido, a prova teórica foi mais fácil do que nos EUA, mas o teste pratico eu precisei fazer duas vezes em Londres e em Miami eu passei na primeira.


Alimentação

Eu adoro comer besteira, mas neste ponto eu sinto saudades do Reino Unido. Comida fresquinha e baratinha. Com R$500 por semana é possível manter bem uma casa de 3-4 pessoas. O começo é sempre mais difícil por conta da conversão (5:1).


Nos Estados Unidos, temos um leque de opções bem maior, porém a conta para manter a mesma casa pode dobrar. Existem opções (aqui no sul da Florida) que podem baratear. Supermercados latinos frequentemente vendem carne boa por cerca de R$16 o kilo, além da rede europeia que acaba de expandir por aqui. Também existem muitos vouchers e promoções.


A grande diferença, e que me pegou de surpresa, é que no Reino Unido eu sempre fiz as compras online com entrega em minha casa no dia seguinte, aqui nos EUA esse sistema não existe. Você precisa contratar empresas terceirizadas. Eu tentei três vezes e nenhuma com sucesso. Faltaram items, fui cobrada um valor muito superior ao prometido e entrega fora do horário contratado.

Take away e comer em restaurantes na Florida é mais barato e chega a custar menos da metade do preço exercido em Londres.


Vestuário & mais

Na Inglaterra, as roupas são muito mais baratas. Acessórios, perfumes e maquiagem também tem preço menor.


Nos EUA, as roupas de marca como Gap, Tommy, Victorias Secret, Polo e etc são mais baratas, mas é válido lembrar que aqui são marcas nacionais. Existem milhões de outlets com coleções passadas por valores reduzidos, porém, as marcas européias de luxo tem preços mais salgados aqui na Flórida.


Eletrônicos

A conta e fácil. Geralmente o que custa £100 no Reino Unido, custa $100 nos Estados Unidos. Para quem não acredita, um bom exemplo de website para testar é a Apple Store. A economia, à grosso modo é de 25-26%

Porém, é válido destacar que no Reino Unido o imposto é embutido no produto e nos Estados Unidos, o imposto só aparece no momento de pagar a conta. Aqui em Miami, o imposto a ser acrescido é de 7% do total da compra, logo, a economia e menor do que a citada acima.

Para quem compra de fora e usa redirecionadoras, uma boa dica é que o frete do Reino Unido para o Brasil é bem mais barato do que a rota dos Estados Unidos para o Brasil. Eu particularmente uso a shiplounge.com que tem armazém nos dois países, o atendimento e ótimo e a entrega rápida. Neste caso, comprando diretamente do Brasil, pode sim sair mais barato comprar do Reino Unido.


Educação

Tive meu filho matriculado em escolas publicas nos dois países. Baseada em minha própria experiencia apenas, digo que a educação norte-americana é melhor do que a inglesa. Nos EUA, se a criança não tirar as notas necessárias para passar de ano, vai ter de fazer aquele currículo novamente. No Reino Unido, as crianças não são reprovadas e não tem lição de casa.

Uma coisa que me chocou foi ver a policia sendo acionada para crianças que não se comportam e elas são fichadas. Se e certo ou errado, ja não sei, mas essa é a lei do estado da Florida.


Os ônibus escolares bem como as refeições durante horário escolar são gratuitas nos dois países para famílias de baixa renda.

Diferente do Brasil, nem os EUA, nem o Reino Unido oferecem ensino superior gratuito. As instituições financeiras oferecem um empréstimo e de maneira terrível, o aluno acaba amarrado a uma divida para a vida que muitas vezes sao maiores que seus salários pós universidade.


Saúde

Este e provavelmente o tópico que mais assusta as pessoas que querem morar nos Estados Unidos e realmente é um problema mesmo para quem é cidadão americano. Alguns estados ainda contam com ObamaCare que é um sistema similar ao SUS e que atende os mais necessitados gratuitamente, mas o projeto do ex presidente está com os dias contados. Esse não é o caso da Florida. Uma familia de 3-4 pessoas precisa de pelo menos R$4000 por mês para sustentar este luxo.


Diferente do Brasil, o sistema de saúde nos EUA funciona por cooperação. Geralmente 80:20. O plano de saude arca com 80% da conta e você paga ali no balcão os 20% restantes.


Odontologia na Flórida também é cara. Uma visitinha ao dentista só para exames e avaliação pode custar cerca R$400.

Este seguramente e o maior ponto positivo para quem vive legalmente no Reino Unido. A saude é gratuita. O sistema não e perfeito, mas mesmo com as pernas bambas, funciona. Ali, também há odontologia gratuita para as famílias de baixa renda. Mas para aqueles que trabalham, as contas do dentista não são nada baixas.

Na Inglaterra, sofrem as pessoas sem documentos, que precisam correr de centro comunitário em centro comunitário para buscar auxilio médico gratuito, mas sempre há um profissional médico de braços abertos para ajudar e isso eu não vi ainda nos Estados Unidos. Já perguntei bastante aos moradores, mas ninguém conhece nada similar.


Trabalho

Se você não tem documento é quase impossível encontrar um emprego no Reino Unido. Mas claro que sempre há um jeitinho. As pessoas se viram fazendo limpeza, aceitando diárias na construção, cuidando de crianças, passeando com cachorros, fazendo bolos e marmitinha fit de casa e o que a imaginação deixar criar. Os empregadores de empresas físicas não aceitam pessoas sem documentos porque a imigração faz visitas constantes e as multas para os empregadores são pesadas, além do risco de ter o estabelecimento fechado e licenças suspensas.

Já nos Estados Unidos, com ou sem documentos, as possibilidades são muitas. E para ser sincera, a imigração só age mesmo se houver uma denuncia ou a pessoa andar fora da linha. Por incrível que pareça, geralmente no trânsito.

Para fechar, vejo que quem está nos Estados Unidos tem ganhado mais e tem juntado mais para enviar para casa do que quem está no Reino Unido, principalmente depois da votação a favor do Brexit.


Outras curiosidades

No Reino Unido eu não tinha secadora, mas a máquina de lavar roupa tem sistema superior. Além de lavar melhor, drena melhor e as roupas saem quase secas. Ainda assim, eu prefiro ter secadora e não ter de pendurar as roupas pela casa.

As geladeiras gigantescas nos EUA me encantam. Posso tranquilamente fazer a compra para o mês todo que espaço não vai faltar.

No Reino Unido, para ter televisão em casa, precisamos pagar uma licença obrigatória por aparelho. A programação é razoável, mas pervertida no sentido que, você é manipulado à assistir o que o governo quer que voce assista.

Mesmo tendo deixado o Brasil há tantos anos, eu sinto falta daquela relação com vizinhos. Um vigia a sua casa enquanto voce viaja, o outro olha seu filho enquanto você corre para fazer as compras. Isso não existe nem na Inglaterra, muito menos nos Estados Unidos. As pessoas são mais secas, mais fechadas.


Nos EUA você não precisa pegar filas nas farmácias ou bancos, já que todos eles tem sistema drive-through.

A telefonia é bastante distinta entre os dois países aqui comparados. No Reino Unido, você entra em qualquer vendinha da esquina e compra um chip, abastece que R$5 e o chip vai sempre funcionar para receber ligações mesmo que você nunca mais recarregue o telefone. Já nos EUA, você pode comprar em qualquer supermercado um chip (alguns já vem até com crédito), mas quando você não puder abastecer a sua linha, não recebera chamadas também.


Onde é melhor de morar?


Essa é a pergunta que eu mais escuto. Sou casada com um britânico e tenho um filho britânico. Eles não falam português ou espanhol, o pode ser um obstáculo aqui no sul da Florida. Lido bem com as dificuldades deles de lingua, bem como os pedidos de coisas que não tem por aqui, mas acredito que aos poucos eles tem se adaptado.


Eu não gosto de frio, logo, este e o ponto que favorita os Estados Unidos. Aqui a temperatura sempre elevada, 20 e 23 C todos os dias.


Mesmo tanto tempo depois de ter deixado Sao Paulo, ainda sou muito latina. Sinto-me mais ‘em casa’ quando estou na Flórida.

Eu particularmente escolheria os Estados Unidos entre os dois. Colocando na balança cada um dos pros e dos contras, é aqui que eu me sinto mais feliz.



Paula totths (2)


*Paula Tooths é casada com britânico, viveu em Londres por mais de 17 anos.  Jornalista, produtora de TV e escritora, autora de quatro títulos publicados no Reino Unido e repórter do Na Pauta Online – USA, desde abril de 2019 passou a atuar como associada do Direto de Londres para temas dos Estado Unidos.



 

7 Comentários

1

Adorei seus comentarios pois estou em UK mas ganhei o Green Card, porem bem empregada em UK, maior dificuldade por ter que lagar o emprego, no entanto acho que sou mais America como vc!

escrito por Jane Proszek Gorninski 13/out/19    15:07 h.
2

Ola Veronica, obrigada pelo carinho! Sao mais de 100 tipos de vistos, e como diz um amigo advogado, para toda situação, ha uma solução migratória. Se voce desejar, posso passar o telefone dele e, avaliando seu caso, de repente, te mostra outras opções e soluções. Te desejo sorte nessa jornada e não desista do seu sonho, mas lute por ele! Um abraço.

escrito por Paula Tooths 24/abr/19    17:49 h.
3

Amei teu texto menina!! Eu também moro na Inglaterra desde 2011, e os Estados Unidos nunxa foi uma paixão pra mim, ao contrario de muitos brasileiros, mas em 2017 fomos visitar uns amigos em Orlando e não é que voltamos de lá mega apaixonadinhos por este pedaço de chåo da terra do tio Sam!! Ao vomtarmos pra casa procuramos todas as brexas da lei pra irmos morar pra ai, mas fica muito caro para conseguir um visto que possa nos garantir legalmente ai, e a essa altura do campeonato já não é facil mudarmos...agora só nos resta embalar o sonho dos filhos, para ver se os netos já possam nascer por ai. 😁😁😘 Obrigada pelo texto tão esclarecedor! E, porque por tudo que ja pesquisamos sobre as diferenças entre os dois países, tudo bate direitinho com a tua escrita. Boa sorte!!😉

escrito por Veronica 23/abr/19    23:20 h.
4

Ola, Grace! Obrigada pelo carinho. Sim, há. Temos um problema grande aqui na Florida com armas de fogo e temos testemunhado alguns ataques em escolas e fora delas. Mas, se compararmos com os numeros no Brasil, a estastitica por aqui é bem menor. Um abraço.

escrito por Paula Tooths 20/abr/19    06:57 h.
5

Obrigada, Pauline! Beijo

escrito por Paula 20/abr/19    06:54 h.
6

Adorei Paula. Um panorama bem honesto e interessante sobre esses dois lugares: Londres e Florida. Bjoss

escrito por Pauline 20/abr/19    00:43 h.
7

O que me encantou foi o facto de ter calor o ano inteiro! E quanto a violência nas escolas? Tem?

escrito por Grace 19/abr/19    01:16 h.

Deixe seu comentário